terça-feira, julho 24, 2007

eu, o vento e onde o carro não vai


20:25, rua de cedofeita e ainda nem metade das pedras brancas calcadas.

Estranha paz que a cidade me dá em final de dia, com o vento que lhe corre em dias que se pediam de calor. Continuo a passo no aconchego das ruas que me viram nascer. As mesmas ruas, os mesmos passeios, as mesmas pombas mas num instante a cidade parece mudada, os sons e os cheiros de um final de tarde alegram-me os sentidos. Baralham-me. Todos desertam apenas ficando quem procura nos recantos de lojas já fechadas o conforto de um tecto.

Serão felizes quanto eu quando o vento lhes corre pela cara?
Nem notam a sua presença, nem a minha e passamos com indiferença.
Estamos apressados e para quem não faz contas ao tempo, somos mais uns para quem olham com olhos vazios próprios de quem há muita nem ali vive, e eu, e o vento, apressados.
Desço para a praça e somos três, junta-se quem me tem acompanhado nos últimos dias. Tem um sentido diferente a esta hora e no caminho que levo, faz-me crer que vou para lá.

“sabemos de um lugar onde nenhum avião vai
sabemos de um lugar onde nenhum navio vai

nenhum carro vai
nenhum carro vai
onde nós sabemos

sabemos de um lugar onde nenhuma nave especial vai
sabemos de um lugar onde nenhum metro vai

nenhum carro vai
nenhum carro vai
onde nós sabemos

entre um ponto de luz e o começo de um sonho

não quero que me puxem
não quero que me atropelem
iremos fazer isto em ordem
mulheres e crianças, vamos a isto, velhos amigos”

Arrisco um olhar e comprovo que o rio não secou, talvez seja por ali o caminho, o tal que me tem preenchido o imaginário de criança.
Sigo o meu ao ritmo de uma hora que espera por mim, jantar marcado num sexto andar. Afinal o caminho foi igual a tantos outros, nada de novo…

6 Comments:

At 25 de julho de 2007 às 11:43, Blogger _E se eu fosse puta...Tu lias?_ said...

As cidades... a nossa mudou de cor. O vazio dos olhares aumenta com a rapidez de rotinas apagadas.
E junto daqueles que nos acompanham com a mesma satisfação de sentir, apenas, o vento na cara tocar... adormecemos de mansinho para de mahã acordar.


*******************************amei

 
At 25 de julho de 2007 às 17:46, Blogger _E se eu fosse puta...Tu lias?_ said...

Desafio para ti no meu blog!!!!******************************

 
At 27 de julho de 2007 às 12:42, Blogger Crónica said...

Eheheh
ontem passei por aqui a ver se já tinhas as 7 maravilhas do teu mundo prontas
tou em pulguinhas pra ler
obrigada pela visita
volta sempre
Jinhuz Crónicos

 
At 27 de julho de 2007 às 17:10, Blogger abade elias said...

Crónica, seja bem-vinda à paróquia e obrigado pela visita.
Já calcorriei mais de metade do meu mundo para para que não faltem as 7, pouco falta...
:*

 
At 6 de agosto de 2007 às 22:50, Anonymous Anónimo said...

Adoro essa musica e adorei a escrita!!

 
At 7 de agosto de 2007 às 15:38, Blogger abade elias said...

anónimo(a): é linda a musica da viagem.
obrigado pela visita e volta sempre.

 

Enviar um comentário

<< Home